7 de outubro de 2017

Terceiro dia de programação no Nu Festival e hoje, o workshop e as talks abordaram o tema da cidade como Playground e plataforma de experimentação, que dá espaço para um dia a dia divertido e lúdico.

Começamos o dia com uma performance incrível da Anne Galante. A artista levou seu rolo de linha gigante rosa feito por ela mesma – um rolo desse demora 15 dias para ser feito! – e tricotou durante horas, inclusive junto com quem quisesse participar, até formar essa enorme peça de tricô que atrai todo mundo que passa.

Anne Galante durante sua performance. Foto: Henrique Madeira

Dando início às atividades, o workshop de modelagem de personagens com Toco-Oco foi um verdadeiro sucesso. Cada um dos quase 30 participantes levou para casa seu molde de personagem produzido durante a aula (teve gente que fez até mais de um!). A Toco-Oco é composta pela dupla Guilherme Neumann e Lara Alcantara, que já trabalham juntos há 10 anos. A princípio, eles produziam bonecos para brincar e decorar, apenas com madeira torneada e tecido. Hoje, o casal trabalha com madeira, resina, tecido, cerâmica e cera e produzem bonecos, esculturas, instalações de parede, pinturas, aquarelas, e o que mais vier à mente.

Para quem perdeu, a Clap Me está fazendo nossa incrível transmissão ao vivo e está tudo salvo no facebook do Nubank. É possível assistir à performance aqui.

Workshop de modelagem de personagens por Toco-Oco. Foto: Henrique Madeira
Workshop de modelagem de personagens por Toco-Oco. Foto: Henrique Madeira

Abrindo nossa sequência de talks sobre Playground, tivemos um talk com Anne Galante, artista do Nu Festival. Anne falou sobre sua arte e sua marca de roupas – Señorita Galante – como um contraponto à era em que tudo é “fast”. Enquanto ela tricota, o público interage assistindo a um movimento lento em que ponto a ponto a peça vai se revelando. A partir do sonho de não deixar essas técnicas caírem no esquecimento, Anne promove reflexões sobre consumo e produção consciente. Dá para assistir à conversa aqui.

Primeira palestra do dia com Anne Galante. Foto: Henrique Madeira

No segundo talk do dia, Renato Custódio, um dos principais fotógrafos de skate do Brasil, falou sobre a cidade como plataforma e como podemos aprender com os skatistas para entender as cidades. Em seu trabalho artístico, Renato aborda arquitetura, fotografia, intervenção urbana, escultura, apropriação e instalação. Ele faz da cidade seu expositivo e cria composições geométricas em esculturas e instalações imersivas, que servem de base para manobras de skate. Dá para assistir à conversa aqui (a partir de 1:07:30).

Segunda palestra do dia com Renato Custódio. Foto: Gabriel Sousa/Devir Produções

Na sequência, Nayana Brettas resgatou a criança interior do público ao apresentar seus projetos de arte e a conexão da infância com as cidades. Como resultado de seu trabalho, Nayana já desenvolveu uma metodologia de escuta que busca compreender o que as crianças querem para o lugar onde vivem, brincam e aprendem e que procura por essas pistas no universo brincante, imaginativo e criativo da criança. A metodologia chama Criança Fala e é utilizada em seu projeto Cidade que Brinca. Além disso, ela acabou de lançar o Movimento ImaginaC, em que as crianças são fonte de inspiração e as criadoras das ideias que são implementadas nas ruas. Assista à conversa aqui.

Terceira palestra do dia com Nayana Brettas. Foto: Gabriel Sousa/Devir Produções

Finalizando os talks de hoje, tivemos Roni Hirsch, um dos peritos na relação das crianças com a cidade. Ele está à frente do Erê Lab, empresa que desenvolve objetos de brincar, interagir e participar. Em seu talk, mostrou a importância do investimento nesse setor, a qualidade de um espaço para a criança na cidade e como esses brinquedos viram também interações urbanas. Com suas instalações, Roni discute questões sociais, a relação do público com o espaço e com arte, colocando em evidência o papel social de quem cria. Dá para assistir à conversa aqui (a partir de 38:00).

Última palestra do dia com Roni Hirsch. Foto: Gabriel Sousa/Devir Produções

Além do workshop e dos talks, e apesar da chuva, tivemos também um walking tour guiado pela Manuela Colombo passando por todas as intervenções do Nu Festival. A Manuela é ativista urbana e já realizou, organizou e coordenou projetos de intervenção criativa e de ativação de espaços públicos, passeios culturais pela cidade e oficinas de graffiti. Ela atua em projetos relacionados a parcerias em prol da cidade de São Paulo e integra também o Instituto A Cidade Precisa de Você.

Começo do walking tour com Manuela Colombo. Foto: Henrique Madeira

Durante o dia todo – até depois dos talks e workshops – tivemos também DJ Session com a Dettona, cerveja Budweiser para todos os participantes das atividades, food truck e bike food!

DJ Session da Dettona com Mari Mats. Foto: Henrique Madeira